Defesa do professor aposentado em Brasília é tema de palestra em I Encontro Conjunto Apase-Apampesp

A professora Aldah de Lima, vice-presidente de Conselho Deliberativo da Apampesp, acaba de proferir uma palestra sobre a atuação da nossa Entidade em defesa do professor aposentado durante a tramitação do Plano Nacional de Educação, em Brasília. A apresentação integra o último dia da programação do XXXIII Encontro Estadual Apase e I Encontro Conjunto Apase-Apampesp, que acontece até hoje, 8 de novembro, no Vacance Hotel, em Águas de Lindóia.

Representante da nossa Associação em Brasília ao longo dos últimos anos, a professora Aldah de Lima lembrou da trajetória de luta da Apampesp desde o momento em que o PNE foi apresentado pelo Poder Executivo à Câmara dos Deputados ainda em 2010 até a sua aprovação em 2014. Foram quatro anos percorrendo os longos corredores da Câmara e do Senado, se reunindo com parlamentares, acompanhando as votações nas Comissões e em Plenário, a fim de garantir a permanência do professor aposentado na verba de manutenção e desenvolvimento de ensino.

A professora Aldah de Lima salientou que a batalha incessante e cansativa da Apampesp foi vitoriosa graças à dedicação de diversos professores aposentados que marcaram presença constante em Brasília. Ela ainda enalteceu o papel crucial de dois nomes: o então deputado Arnaldo Faria de Sá – um apoiador incondicional do professor aposentado – e da saudosa professora Hilda Rodrigues do Tanque, defensora e representante da nossa Entidade em Brasília ao longo de décadas.

2 thoughts on “Defesa do professor aposentado em Brasília é tema de palestra em I Encontro Conjunto Apase-Apampesp”

  1. Parabéns APAPESP pela luta à favor dos aposentados. Já ganhei várias causas com vossa luta. É uma vergonha, como governantes tratam os professores aposentados. Me aposentei com 44 aulas e logo no primeiro holerite, recebi só por 31 aulas e tb perdi mais outros direitos. Minha Gratidão à APAPESP.

  2. Sempre na luta.
    Quem sabe um dia o professor será bem tratado e valorizado pelos governos e sociedade?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *