Entidades do funcionalismo público retomam mobilização contra a Reforma da Previdência

A professora Walneide Romano, presidente da Apampesp, marcou presença na última segunda-feira, dia 12 de novembro, no encontro mensal entre representantes de Entidades do funcionalismo público com o deputado federal Arnaldo Faria de Sá, em seu escritório político, no bairro do Jabaquara, em São Paulo.

Parte das discussões se concentrou na possibilidade de votação da Reforma da Previdência – seja na íntegra ou parte dela – até o fim deste ano, em Brasília. O parlamentar alertou sobre a necessidade de fortalecer a união das Entidades nesta reta final do Governo Temer, mesmo com negativas do presidente eleito Jair Bolsonaro de que não há condições para a votação ainda neste ano. No próximo dia 21 de novembro, a Apampesp estará em Brasília para participar de uma mobilização organizada pela Frente Parlamentar Mista em Defesa da Previdência Social na Câmara dos Deputados e no Senado Federal.

Serão realizadas visitas às lideranças dos partidos e também estão sendo articuladas audiências com os presidentes da Câmara e do Senado para entregar a nota da Frente e apresentar um manifesto contra a Reforma da Previdência.

Em sua fala, a professora Walneide Romano destacou o papel da Apampesp em defesa do professor aposentado e informou que ela estará representando a nossa Entidade, entre os dias 20 e 23 de novembro, também em Brasília, durante a Conferência Nacional de Educação.

Aposentados na verba de manutenção e desenvolvimento de ensino

A nossa Entidade acompanhará as discussões no Eixo VIII, que trata do financiamento da Educação. O objetivo será garantir a permanência do professor aposentado na verba de manutenção e desenvolvimento de ensino. Ainda que a participação da Apampesp tenha sido fundamental para vencer esta luta em Brasília na ocasião do Plano Nacional de Educação, a exclusão do professor aposentado desta verba tem sido encabeçada por determinados partidos políticos e até mesmo por outras Entidades da Educação.

No caso de uma eventual saída dos professores aposentados da verba de MDE, Governadores e Prefeitos terão de arcar com mais uma despesa: a suplementação de recursos para os inativos, sem que haja nenhuma fonte adicional de recursos. Isso obrigará os Chefes do Executivo a retirar recursos de outros setores da administração. Além disso, os salários dos professores aposentados poderão ficar ainda mais achatados. Por isto, a importância da luta incansável da Apampesp em torno desta questão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *